Author : Mussolini Benito
Title : Discursos da revolução
Year : 19**

Link download : Mussolini_Benito_-_Discursos_da_revolucao.zip

CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES SOBRE A PRESENTE OBRA. Considera-se a palavra Fascismo, hodiernamente, como um termo pejorativo, sinônimo de autoritarismo, exploração social, chauvinismo, xenofobia, racismo, ad infinitum. Todos os dias, na mídia, nas discussões políticas, nos manifestos civis, entre outras formas de expressão, fala-se que a polícia é "fascista", as torcidas organizadas de futebol são "fascistas", as leis contra o tabaco são "fascistas", a cobrança de impostos extorsivos é "fascista", o moralismo é "fascista". Para um político, então, ser chamado de "fascista" é uma ofensa terrível, traduzindo que não está sendo tão liberal quanto o sistema democrático exige. Como se percebe, o antifascismo é uma paranóia insana, cujas definições são desconexas, sem qualquer ligação racional entre si. Traduz uma verdadeira campanha ostensiva contra o nascimento de qualquer forma de nacionalismo e/ou antiliberalismo. A desmistificação dessa campanha cabe às pessoas de bem, aos defensores do patriotismo e nacionalismo, aos protetores da moral e da ordem pública. Isto se obterá, primeiramente, esclarecendo-se o que seja FASCISMO. Pesarosamente, mesmo dentro deste ínfimo segmento social que abriga os nacionalistas sinceros, existem dissensões sobre o Fascismo. Sabemos que Nação e Estado são interdependentes; mas qual destes é mais importante? Esse é o ponto onde se acirram as discussões. Uma vertente crê na necessidade social de se organizar o povo, gerando um sentimento de nacionalidade; o Estado seria então uma decisão política volátil, uma organização objetivando proteger a Nação, mas claramente submetido às mudanças desta. Outros crêem no Estado forte, inalterável, um recipiente onde se desenvolveria a Nação; entretanto, a Nação nunca poderia superar o Estado paternalista, sob pena de perder suas características, de perder sua proteção e se dissolver. Para os primeiros, o Estado deveria defender e assegurar direitos e deveres adquiridos por conquistas sociais; para os últimos, o Estado existiria exatamente para distribuir os direitos e deveres, cabendo apenas a ele decidi-los. ...